Distopia – EP.#20 – Pedido.

No seu apartamento ela soca as paredes, esbraveja e chuta uma pilha de caixas com roupas. – Não sei mais quanto tempo vou aguentar isso! – O banho esfria um pouco seus ânimos, de toalha pelo corpo a jovem conecta seu teclado wi fi com o simplório intuito de relaxar jogando algo na rede, mas a mensagem saltando no display interrompe seu planos.

B. – Você está aí?

Ela pensa em não responder, mas inquieta inicia o dialogo on line.

X. Sim…

B. Ótimo, preciso de sua ajuda.

X. Você não deveria falar comigo por aqui, era esse o combinado.

B. Exato, mas não faria se não fosse realmente serio.

X. Diga.

B. Alguns meses um material caiu na Terra, acredita-se ter vindo da Lua, ou passou por ela, enfim, era um asteroide com alguns cristais, minha equipe coletou o material para analises laboratoriais e constatamos ser um mineral alienígena. Com o tempo os testes mostraram que ele tem propriedades que reagem em contato com organismos vivos, ratos antes doentes terminais se recuperaram por completo, e ainda mostraram uma taxa de longevidade maior. Mas não só isso, ainda se tornaram mais espertos, ágeis e fortes que os ratos comuns. Bom… Não demorou para testarmos em humanos… Inicialmente o resultado foi ótimo, o jovem que se candidatou a cobaia se tornou quase um super herói, resistência, regeneração, velocidade, força fora do comum. Ficamos orgulhosos e ele também. No entanto teve alguns efeitos colaterais, o rapaz mostrou uma intolerância a luz. Ah, e se tornou violento, paranoico e mostrou uma sede de sangue, e quando falo sede, é no sentido literal.

X. Que legal, criaram um vampiro de laboratório…

B. Me poupe de sua ironia… A situação não é para brincadeira… Mas realmente, ele se parece em muitos aspectos com a forma clássica os vampiros da literatura… Enfim, no final ele conseguiu fugir. Tenho receio que ele mate pessoas para saciar sua fome, ou sede, seja como for. Ou pior, se isso acontecer não sabemos as consequências, se existe o risco de suas vitimas sofrerem algum tipo de transtorno semelhante ao dele e isso virar uma epidemia.

X. Droga…

B. Sim… Droga mesmo… Sem contar que… Se…  “Aquela” mega corporação que estamos tentando combater for mais rápida e captura-lo… Esse experimento caíra em mãos erradas… E tudo pode ficar ainda pior, mas do que já está.

X. E onde eu entro nessa historia? Você está querendo que eu saia pelas ruas e cace a porcaria de um drogado que acha que é a porcaria de um vampiro?

B. Não! Com seus contatos quero que contrate um assassino profissional.

X. Você está brincando né? Vai matar o cara?

B. Tem ideia melhor?

X. Não… Mas… Mas… Ah! Que se dane, eu estou cansada, irritada, … Eu vou procurar seu matador de aluguel e limpar sua sujeira, é o que sempre faço não é mesmo?

B. Você está falando assim por que? Nunca a vi desse jeito.

X. Estou passando por uma situação que você nem imagina! Bem difícil no momento, estou no meu limite!

B. Sinto muito… Quer conversar sobre?

X. Não! Em outro momento, talvez… Vou procurar seu matador de aluguel. Quando conseguir entro em contato.

B. Tem certeza?

X. Sim.

B. Certo…

X. Certo, tchau.

B. Tchau.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s