Distopia – Prólogo # 00 – Futuro do passado.

O mundo há muito havia se tornado um lugar sombrio e desanimador, as cidades tornaram-se imensas, mas ao mesmo tempo claustrofóbicas; resultado da hibrida arquitetura retrofit ¹, oprimindo os prédios uns contra os outros. A profusão de culturas, e o excesso de informação visual, transformou os bairros em infernos de néon com logotipos de marcas famosas.

A nova tecnologia projeta sobre qualquer superfície lisa – o preferencial são vidros, mas paredes não são excluídas – telas virtuais iguais de uma TV. Normalmente elas exibem noticiários, mas são em grande parte usadas para despejar nas vidraças das lojas publicidade podre das multinacionais contribuindo para a poluição visual e sonora.

Por falar em som: o transito é mais barulhento!
Quase sempre chove, mas nunca o suficiente para amenizar o calor. Ruas e becos são úmidos, o lixo se amontoa nas calçadas e o vapor dos bueiros expulsa os ratos para o asfalto dividindo espaço com as pessoas e automóveis. Se ao menos eles voassem como nos filmes, seria a solução para que os pedestres não precisassem disputar espaço com os carros nas avenidas. Mas acredite, isso é com o que menos se precisa preocupar.
Você lembra das multinacionais? As mesmas que jogam propagandas diariamente e ditam o que deve vestir, comer, pensar e falar? Elas viraram mega corporações, e caso não seja o dono de alguma você apenas sobreviverá um dia após o outro. Mesmo para quem vêm de uma boa família as oportunidades são escassas. Não é fácil se ver frustrado com o futuro que escolheu e ver que o caminho que decidiu traçar não lhe trará nenhuma perspectiva de vida. É só uma imagem romantizada da escolha que fez quando era mais jovem, e depois de muito refletir você conclui: Pessoas crescem e mudam a forma de pensar, com você não foi diferente.
Estes cidadãos vivendo a margem da sociedade se marginalizam, roubam, estupram, torturam, raptam, matam; seja para suprir as necessidades básicas de sobrevivência ou sustentar os vícios e luxos. Na melhor das hipóteses, optam – como se tivessem outras opções – por ingressar em gangues que lutam contra o sistema empregado. Grupos que focam vandalismo em forma de protesto contra as mega empresas.
É aqui onde tudo começa… Ou termina…
Corria pelas ruas o boato de uma nova gangue. Uma gangue hacker.

¹ Retrofit é um termo utilizado em muitas disciplinas. Como em Arquitetura para designar um processo de reconversão ou em engenharia para designar o processo de modernização de algum equipamento já considerado ultrapassado ou fora de norma.

#Cyberpunk

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s